Fale pelo WhatsApp:

Pesquisadores vinculam consumo precoce de álcool com futuro vício

Compartilhe
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

O contato com o álcool em idade precoce ativa mecanismos a nível neurológico e psicológico

Consumo precoce álcool pode gerar futuros vícios (Wikimedia)

alcool
Pesquisadores argentinos do Conselho Nacional de Investigações Científicas e Técnicas (CONICET) evidenciaram, mediante estudos recentes, que o consumo de álcool realizado em idade juvenil influencia o consumo posterior e a dependência nessa substância.

Os pesquisadores cordobenses Ricardo Pautassi e Angelina Pilatti demonstraram que o contato com o álcool em idade precoce ativa mecanismos a nível neurológico e psicológico, que poderiam influir em um vício posterior.

Segundo a pesquisa do CONICET, em uma das experiências, foi administrado álcool à ratos adolescentes e adultos, e após certo período de abstinência, foi oferecido como opções beber álcool e água. O resultado foi que os mais jovens preferiram consumir álcool em maior quantidade que os mais velhos.

Mesmo se tratando de uma investigação básica utilizando um modelo animal em lugar de experimentos com humanos, a pesquisa pode colaborar notavelmente com estudos mais complexos, explicou a pesquisa divulgada pelo CONICET.

“A ideia de fazer investigações com modelos animais é proporcionar elementos para uma investigação epidemiológica mais longa, complexa e custosa, a qual é mais difícil isolar fatores que podem gerar confusão”, afirmou Pautassi.

Os investigadores acreditam que o resultado pode ser o mesmo em humanos, sendo que um dos motivos prováveis é que os adolescentes têm acesso ao álcool em um momento que o cérebro está sendo remodelado, e é provável que a substância interfira nesse processo de mudança.

No laboratório em que trabalha Pautassi, estão sendo realizadas outras pesquisas para ver se isso ocorre efetivamente.

A Dra. Angelina Pilattir realizou um trabalho de campo que utilizou uma amostra de quase trezentas crianças de oito a doze anos e trezentos e cinquenta adolescentes entre treze e dezessete anos, de escolas públicas e privadas. O objetivo do estudo era medir, entre outras variáveis, se haviam consumido álcool em alguma oportunidade e em que quantidade.

“Por um lado, percebemos que entre dez e doze anos é um período crítico, que ocorre uma série de mudanças que os predispõe a iniciar o consumo de álcool. Por outro lado, podemos observar que aqueles que começavam antes dos treze anos tendem a consumir mais álcool e outras substâncias ilegais”, comentou Pilatti.

Segundo a investigadora, os adolescentes têm maiores índices de consumo, além disso, são mais extrovertidos e propensos a buscar novas experiências, devido a certos traços de personalidade que podem relacionar-se com o fenômeno.

No entanto, o estudo revelou que, em geral, as crianças imitam a conduta de outros, geralmente dos seus pais e dos amigos. Desse modo, nas crianças que têm uma maior percepção do consumo alcoólico dos pais, notou-se um aumento dos índices do consumo deles mesmos um ano depois, quando novamente foram examinados.

Por último, o estudo concluiu que em crianças, o contato com o álcool é mais experimental e ocorre com pouca frequência e em baixas quantidades. Porém, nos adolescentes esses parâmetros aumentam, e a bebida começa a modificar-se da exploração para converter-se em um fenômeno habitual.

Segundo a pesquisa, “a primeira modalidade conduz à segunda, (este é um) elemento que deveríamos levar em conta no momento de pensar em políticas preventivas”.

O álcool e a saúde

Segundo o que estabelece a Organização Mundial de Saúde (OMS), o consumo de álcool é um dos fatores de risco mais graves para a saúde a nível mundial. No continente americano, o álcool constitui o principal fator de risco em relação aos dados estatísticos de enfermidade.

No ano de 2004, pelo menos 347.000 mortes foram atribuídas ao consumo de álcool. Além da dependência, o consumo nocivo do álcool está associado com mais de 60 enfermidades, incluindo as lesões intencionais e não-intencionais, câncer, enfermidades cardiovasculares, neuropsiquiátricas e de desenvolvimento infantil e juvenil.

A maioria das enfermidades afeta os homens (83.3%), e 77.4% dos dados provêm da população entre 15 e 44 anos, afetando principalmente jovens e adultos em seus anos de vida mais produtivos.

Regulamentação

O consumo nocivo de álcool é uma das principais causas de traumatismos (inclusive os provocados por acidentes de trânsito), violência (especialmente violência doméstica) e mortes prematuras, informou a OMS.

Em muitos países é motivo de crescente preocupação o uso nocivo do álcool entre os jovens, já que diminui o autocontrole e aumenta os comportamentos de risco.

Segundo a OMS, a regulamentação do acesso às bebidas alcoólicas é uma estratégia eficaz para reduzir o consumo nocivo de álcool por parte dos jovens. Dessa forma, a proibição de publicidades sobre o consumo de álcool pode atenuar a pressão exercida sobre os adolescentes para que consumam essa substância.

Saúde Bem-estar – Por Celeste Caminos, Epoch Times

Deixe seu comentário

Ana Café pela vida

Tamo Junto!