Fale pelo WhatsApp:

Dependente químico custa 4 vezes mais que um aluno

Compartilhe
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Estado gasta mais dinheiro na recuperação de usuários do que com estudantes

Jornal A Cidade – Marcelo Fontes

aluno-20090624070239
São Paulo gasta, em média, R$ 316 por mês para manter cada um dos 4,3 milhões de alunos do ensino médio – o levantamento é do MEC (Ministério Educação). Já para tentar recuperar os dependentes químicos, o Estado vai pagar quatro vezes mais – R$ 1.350 por mês. É o chamado programa Cartão Recomeço, apelidado de “bolsa crack”.

Até agora, Ribeirão Preto tem oito vagas no programa e nenhuma unidade cadastrada – os tratamentos vão ocorrer na clínica Grauus, de Sertãozinho. Segundo apurado, ainda não existe data para os oito escolhidos serem internados. O convênio depende de pendências burocráticas.

Muito dinheiro
De acordo com estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Ribeirão Preto tem 5,3 mil usuários de crack – que consomem, em média, 16 pedras por dia. Para tratar todos os usuários, seria necessário que o estado desembolsasse, por mês, R$ 7,2 milhões.
O valor é quase a metade do que é gasto mensalmente para manter os cerca de 50 mil alunos na rede estadual de Ribeirão Preto – R$ 15,8 milhões.

Opinião
Os especialistas ouvidos pelo A Cidade apontam que o investimento em educação é baixo, mas deixaram claro que aprovam o Cartão Recomeço.
“No meu entender, a educação precisa de muito mais investimento. Defendo a opção da escola em tempo integral”, diz o professor José Marcelino de Rezende Pinto, professor da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, da USP de Ribeirão Preto.

“O ensino de qualidade oferece perspectiva para o jovem, tirando-o do caminho das drogas. O investimento per capita deveria ser o dobro, pelo menos R$ 600 por mês. Esse gasto, hoje, traria economia para o futuro”, completa o professor da USP

“O investimento para recuperar o dependente químico é válido. Mas o valor gasto por aluno com educação é muito baixo”, aponta o sociólogo Carlos Eduardo Guimarães, do Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia de São Paulo (IFSS), campus Araraquara.
“A escola em tempo integral é a saída. O ideal é oferecer atividades como música, esportes e artes. Com esse investimento, a vulnerabilidade dos jovens seria menor e evitaria gastos futuros do poder público”, avalia.

Única
Através da assessoria de imprensa, o Governo do Estado informou que possui apenas uma escola com período integral em Ribeirão Preto – a Baudilio Biagi, no bairro Adelino Simioni, zona Norte, que atende o ensino fundamental. Ao todo, a rede estadual tem 62 escolas em Ribeirão Preto.

O Estado também informa que está ampliando o número de escolas que atendem no período integral, mas não está prevista nenhuma unidade para Ribeirão Preto.
A assessoria da prefeitura disse que a “Secretaria Municipal da Educação oferece atendimento em período integral em todos os 33 Centros de Educação Infantil (CEIs) – “em 26 das 41 Escolas Municipais de Educação Infantil (EMEIis) e, por enquanto, em sete Escolas Municipais de Ensino Fundamental (EMEFs)”, informou a prefeitura.

Ação civil
O promotor Naul Felca, que atua na área da infância e juventude, planeja abrir uma ação civil pública para obrigar a prefeitura a se responsabilizar pelo tratamento dos dependentes químicos. O representante do Ministério Público diz não ter acompanhado nenhum avanço desde o início do ano.

“Durante a campanha eleitoral [2012], foram feitas promessas e nada foi posto em prática. Estou aguardando até o fim do mês as respostas dos ofícios que enviamos. A prefeitura precisa montar uma clínica para tratar os dependentes”, disse Naul Felca.

A promotoria tem inquérito aberto desde 2009 para apurar suposta omissão da prefeitura no tratamento dos dependentes. É esse inquérito que deve ser concluído e dar início a ação civil. “Vejo falhas sistemáticas do poder público e o caso dos dependentes químicos gerou um problema gravíssimo de saúde, acrescentou o promotor.
O promotor também defende a implantação do período integral nas escolas. “O ambiente escolar é protetivo. A prioridade seria implantar período integral para evitar o primeiro contato do jovem com as drogas”, opinou o promotor. “Também é importante ressaltar que o Cartão Recomeço é uma iniciativa importante”, lembrou.

Drama
Wilian Barbosa, 49 anos, é pai de um dependente e luta para libertar o filho do vício. No incío da semana passada, após fugir da terceira clínica de tratamento – estava internado de forma compulsória –, o filho de Wilian acabou ferindo um enfermeiro com uma tesoura. “Ele está preso, mas estamos buscando uma maneira de conseguir transferi-lo para a clínica novamente”, disse Barbosa.

Segundo o pai, o filho, de 25 anos, é usuário de cocaína desde os 15. “Ele estava indo bem na clínica, mas fez amizade com uma pessoa que influenciou a fuga. Ele se arrependeu”, garantiu o pai. “Ele usou drogas pouco antes dos profissionais da clínica virem buscá-lo e, por isso, teve a reação agressiva contra o enfermeiro”, explicou.
Segundo o apurado, o enfermeiro Fábio de Paula, 29 anos, ainda vai passar por cirurgia, mas não corre risco de morte.

Flagrantes
Não é difícil flagrar usuários de entorpecentes. No entorno da rodoviária, na Praça Schmidt, os dependentes consomem droga durante o dia. “Não consigo passar duas horas sem usar drogas”, disse Claudemir, que pediu para não divulgar o sobrenome.

A Via Norte é outro ponto frequentado pelos dependentes. “Às vezes, a polícia passa e manda a gente ir embora, mas, no dia a dia, é tranquilo”, disse Janaína Silva, 21 anos.

Outro lado
A prefeitura de Ribeirão Preto diz que tem atuado para dar assistência ao dependente químico. “Nos últimos quatro anos, a atual administração implantou o Caps [Centro de Atenção Psicossocial] Infantil em coerência com a Política Nacional de Saúde Mental”, disse o Executivo, por meio de assessoria.
“A Secretaria da Saúde estabeleceu credenciamento com clínicas terapêuticas que atendem os casos em que é necessário isolamento social. Também estabeleceu convênio com entidades da sociedade civil para manutenção de casas de apoio transitório”, informa. De acordo com a prefeitura, “essas medidas mostram-se suficientes para o atendimento da demanda existente no município”.

Por fim, a prefeitura garante que implantará uma clínica pública no quadriênio 2014/2017.

Deixe seu comentário

Ana Café pela vida

Tamo Junto!