Fale pelo WhatsApp:

Cientistas descobrem que ‘larica’ de maconha tem ligação com o olfato

Compartilhe
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

images-2
Estudo mostra como a maconha age sobre o bulbo olfativo.

Testes com camundongos mostram que THC ativa receptor celular.
THC existente na maconha age como o canabinoide endógeno.
O fato de que o consumo de maconha abre o apetite do usuário já é amplamente conhecido e tem até apelido – é a “larica”. Agora, um artigo da última edição da “Nature Neuroscience” mostra de forma mais detalhada por que isso acontece.

A equipe liderada pelo pesquisador Giovanni Marsicano, da Universidade de Bordeaux, na França, estudou o funcionamento de um receptor celular existente no bulbo olfativo, estrutura cerebral responsável por sentir cheiros, e notou que ele é ativado por substâncias canabinoides. A experiência foi feita com camundongos, que têm diversas similaridades neurais com os humanos.

Os receptores celulares são proteínas que fazem a “comunicação” das células com o meio externo, afetando seu funcionamento. Os canabinoides podem ser endógenos (produzidos no próprio corpo) ou exógenos (produzido por plantas, como o THC, existente na cannabis).

Os cientistas perceberam que quando se sente o cheiro de comida ou quando se está há algum tempo sem comer, canabinoides endógenos agem sobre os receptores do bulbo olfativo, aumentando a nossa capacidade de detectar odores e, também, levando à maior ingestão de alimento. Os canabinoides exógenos, como os da maconha, agem da mesma forma.

Assim, um fator que pode fazer com que o usuário de maconha sinta mais vontade, é que ele tem seus receptores do bulbo olfativo ativados pelo THC da cannabis, aumentando sua capacidade olfativa.

Do G1, em São Paulo.

Deixe seu comentário

Ana Café pela vida

Tamo Junto!